Home / Capa / Leia trechos da gravação entre Joesley Batista e Ricardo Saud; delação da JBS está sob investigação

Leia trechos da gravação entre Joesley Batista e Ricardo Saud; delação da JBS está sob investigação

Leia trechos da gravação entre Joesley Batista e Ricardo Saud; delação da JBS está sob investigação

PGR apura conversas entre delatores que citam um ex-procurador. Para Janot, há indícios de omissão de informações sobre crimes no acordo de delação.

A Procuradoria Geral da República (PGR) investiga novas gravações que registraram conversas entre o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, e o diretor de Relações Institucionais da empresa, Ricardo Saud. Os dois são delatores da Lava Jato.

Serão apurados indícios de omissão de informações sobre crimes no acordo de delação. Segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dependendo do resultado da investigação, os benefícios oferecidos a Joesley Batista e outros delatores poderão ser cancelados.

Em várias partes das conversas, Joesley e Saud falam sobre o ex-procurador Marcello Miller, que trabalhou com Janot por três anos. Ele deixou a PGR em abril deste ano e passou a atuar no escritório de advocacia Trench Rossei e Watanabe, que atende a JBS.

LEIA AS TRANSCRIÇÕES DAS GRAVAÇÕES:

Em diálogo gravado em 17 de março deste ano, quando Miller ainda trabalhava na PGR, o dono da JBS diz que pretende usar o procurador para chegar a Janot.

Joesley: Por isso é que eu quero que nós dois temos que estar 100% alinhado. Nós dois e o Marcello, entendeu? É, mas nós dois temos que operar o Marcello direitinho pra chegar no Janot e pá. Tã tã tã. Eu acho – é o que eu falei pra Fernanda [advogada da JBS, é o que eu falei pro… Nós nunca podemos ser o primeiro. Nós temos que ser o último. Nós temos que ser…

Ricardo Saud: A tampa do caixão.

Joesley: Nós temos que ser a tampa do caixão. Falei pra Fernanda: “Fernanda, nós não vamos ser nunca quem vai dar o primeiro tiro. Nós vai ser quem vai dar o último tiro. Quem vai bater o prego da tampa.”

Saud: O Marcello está ajeitando…

Joesley: Isso. Só que é o seguinte. Nós vamos conhecer o Janot, nós vamos conhecer não sei quem e quem é que precisa do quê?

Dono e executivo da JBS falam sobre as negociações com Miller para a delação premiada, e se questionam se Janot ou outra pessoa sabiam delas.

Joesley: O Janot sabe tudo! Janot… a turma já falou pro Janot.

Saud: Você acha que o Marcello [Miller] tá levando tudo pra ele?

Joesley: Não, não é o Marcello. Nós falamos pro…

Saud: Anselmo.

Joesley: Pro Anselmo, o Anselmo que falou pro Pelella [chefe de gabinete de Janot], que falou pro não sei que lá, que falou pro Janot, o Janot tá sabendo… aí o Janot, espertão, o que o Janot falou: “Bota pra ****, bota pra ****. Põe pressão neles pra eles entregar tudo! Mas não mexe com eles. Pra ****, dá pânico neles!, mas não mexe com eles”.

Em outro trecho, Ricardo Saud estranha que ninguém da PGR tenha procurado os dois oficiamente após as conversas com Miller.

Saud: [inaudível]… Por que não foi combinado com a gente?

Joesley: Porque não pode ser combinado. Porque não pode ser combinado. Você não pode entender isso. Eu entendo. Eu não devia tá entendendo. Eu entendo.

Saud: [inaudível] que o Marcello queria [inaudível]…

Joesley: Ninguém tá entendendo. Por isso que eu tô dizendo. A pretensão que eu acho, que eu tenho a pretensão, eu posso tá completamente errado. Eu tenho a pretensão de achar que eu tô entendendo. Eu acho que eu entendo o que as pessoas acham. Sabe? Em condição normal de pressão e temperatura, eles estão fazendo o que era previsível deles fazerem. Pensa você no lugar deles… Eles são espertão, o que que eles fariam? Toca pressão nesse povo! Mas não mexe com eles. Eu não sei se eu tô… eu tô falando assim no…

Delatores falam sobre combinar com Marcello Miller para levá-los para uma conversa com Janot.

Saud: Que hora que você falou pro Marcello que você quer falar com o Janot? Você falou com a Fernanda. Cê não falou isso, cê nunca falou pra ele.

Joesley: Não, nunca falei.

Saud: Então, ele tá mentindo. Falou com a Fernanda. Você falou pra ele? “Marcello, vem cá, vamos levar nós dois no Janot lá?” Você nunca falou isso pra ele. Fala isso pra ele na terça-feira pra você ver.

A conversa continua sobre meios de se chegar a Janot. O diálogo foi gravado 10 dias após o encontro em Michel Temer e Joesley no Palácio do Jaburu.

Saud: Tá certo. Deixa eu te fazer uma pergunta. O Marcello deu uma tarefa pra nós [inaudível]… e ele quer mais, é isso? Ele já contou pro Janot que a gente tem muito mais pra entregar? [inaudível]

Joesley: Vamos lá.

Saud: [Inaudível] Top [inaudível], top era o Temer. [inaudível]

Batista: Vamos dar um passo atrás, assim, na minha cabeça. Marcello é do MPF, ponto. O Marcello tem linha direta com o Janot. Quando eu falo Janot, é Janot, Pelella…

Saud: Eu te falei… [inaudível]… Pelella não, Pelella nem sabe… [inaudível]

Joesley: Não, não. É tudo a mesma coisa. MPF. Janot, Pelella, como é o nome daquele outro? Ca… Ca… esse.

Saud: Janot, Pelella…

Joesley: E o outro lá. Ricardo, nós somos, nós somos a joia da coroa deles. O Marcello já descobriu e já falou pro Janot: “Ô Janot, nós temos o cara, nós temos o pessoal que vai dar todas as provas que nós precisamos”. Ele já entendeu isso.

No trecho a seguir, Ricardo Saud especula que Janot vai trabalhar no mesmo escritório de Miller depois do seu mandato na PGR.

Saud: É um amigo em comum, que é dono de escritório, que é onde Janot vai trabalhar depois junto com… Já entendi, Marcello saiu antes, tem um outro saindo, Cristian.. e o Janot não vai concorrer, vai sair, vai vim advogar junto com ele e esse Cristian nesse escritório. Escritorio único, ele, esse Cristian e Janot.

Joesley: Ele ficou enlouquecido com o Zé Eduardo.

Saud: Ele acha que o Zé Eduardo é o melhor caminho pra chegar no Supremo.

Joesley: Hum.

Saud: O Zé Eduardo é o melhor caminho pra chegar no Supremo.

Joesley: Ele te falou isso? Que que ele te falou?

Joesley: Ricardinho, eles vão dissolver o Supremo. É o seguinte. Ricardinho, eu vou entregar o executivo e você vai entregar o Zé. E o Zé vai entregar o… Eu, pra mim, sabe o que é o… É o seguinte: com o Zé… sabe que que nós tem que fazer com o Zé? Na miúda, eu pra mim, não tem que falar mais nada com o Zé. Eu queria combinar com você o seguinte, que eu vou ligar pro Zé, eu direto e falar: “Zé, vem aqui, vem. Ô Zé, é o seguinte: você precisa trabalhar conosco. Hã. Ô Zé, nós precisa organizar o Supremo, Zé. Quem nós temos no Supremo?

Saud: [inaudível]

Joesley: Isso. E aí semana que vem eu vou chamar o Zé, falar “Zé, nós temos que organizar o Supremo, Zé”. A única chance que nós tem de sobreviver é isso. Você quem? “A, B, C, D, E, F”. Tá, como é cada um? Ah, o A é isso, o B é isso… O D…”

Saud: Como é que é?

Joesley: Lógico, pra… “O A é isso, o B é isso…” Qual a influência que você tem nesse? E nesse? E esse *****, como é que é? Como é que nós grampeia? Como é que nós? O Zé vai entregar tudo? Nós vai falar de dois só. Nós só vai entregar o Judiciário e o Executivo, só. Não é muito. O Legislativo já se ******. O Legislativo já se… A Odebrecht moeu o Legislativo, nós vamos moer…

Joesley: Não dá pra nós um dia chegar e contar 30 traquinagem nossa, 30. Nós vamos contar 20, sei lá, traquinagem nossa, sem nós termos tomado um bombardeio. Não dá… É subliminar, tá combinado, ninguém combinou comigo, mas tá combinado, cê tem que entender, tá tudo combinado.

É o seguinte, tá tudo combinado, não dá pra daqui 30, 60 dias, nós chegar e disser “nós vamos falar de 200 políticos, dos partidos, do Temer, do *****”. E do nada, é estranho, vai ficar estranho, eles vão moer nos, moer, moer, e de repente nós vamos falar assim BUM, aí faz sentido, se não não faz nem sentido, tá doido, ninguém combinou comigo, ninguém falou comigo, mas eu to entendendo, to entendendo, to achando normal, to achando que

Ricardo, o que nos vamos falar, nos vamos falar é uma bomba atômica. Não dá pra falar… Você imagina aparecer um cara do nada e lança uma bomba atômica. Não, é por que o MP foi, bateu, bateu… É bom pro MP e é bom pra nós. É bom pros dois. É bom pro MP pra dizer que “oh, tá vendo, nos somos ****, nós ***** os caras”. E é bom pra nos dizer “ó, tá vendo nós não tivemos outra opção, os caras moeram nós e nós….”

Joesley: Não vai parar, não pode parar … Mas não pode parar. Opinião pública. Não pode parar. Semana que vem vai ter outra, nós vamos tá fora. Aí na outra vai ter outra, nós vamos tá fora. Aí na outra vai ter outra, nós vamos tá fora, vamo ficar assim BUUM, BUUM, até o dia que nós vamos chegar e falar assim: “Fizemos a delação, não tinha condições, tava impossível aguentar…”

Em novos trechos, fica claro que a relação de Janot com delatores não era amistosa. Joelsey fala da negociação com Marcello Miller e critica a Operação Carne Fraca, contra a venda de carne adulterada. Para Joesley, a ação era uma forma de pressioná-los.

Joesley: Dentro do jogo do MP com não sei o que, é um carteado, né? Uma aposta. Eu posso estar completamente enganado. Ricardo, eu… um jogo, né? Um carteado. Eu duvido que esse Janot não queira a nossa delação. Mas eu duvido assim… eu aposto 100 para um. Não é 10 para um não. É 100 para um. Aí, eu fico vendo toda essa confusão de… Pensa o que eles fizeram hoje. Pensa o que eles fizeram hoje. Uma operação idiota, enfiando nós. Isso é de dar risada. Isso é de dar risada. Ricardo, o que eles fizeram hoje é de dar risada. Eu queria estar em frente ao Janot e dizer: “Janot, para. Isso é coisa de menino. Para. Uma operação idiota dessa, você bota mil e cem homens na rua, em troca de nada, achando que vai me amedrontar. Achando que vai… para! Tá louco”.

Saud: [inaudível]

Joesley: É porque ele não sabe com quem ele tá lidando. É que ele tá achando que tá lidando com um menino amarelo. Ai eu vou chegar lá e dizer: “Janot, nessa escola sua eu fui professor. Você tá tendo aula e eu fui professor. Para! Que que é isso….Que brincadeira. Para! Eu to achando até engraçado. To achando até ridículo isso. Para!” Ricardinho, ele na cadeira dele conosco, ele num… Ricardinho, na escola que eles estudam, nós é professor. Para!

Saud: Nós fizemos um acordo como cara e estamos apanhando há quatro semanas.

Joesley: Nós não tamo apanhando nada. Eu posso estar no mundo da lua. Eu posso ser um lunático, mas eu queria encontrar o Janot… Como eu falei com o Marcello há duas semanas atrás… Chefe, eu to entendendo tudo o que você está fazendo, viu?

http://g1.globo.com/politica/operacao-lava-jato/noticia/veja-trechos-dos-novos-audios-dos-delatores-da-jbs.ghtml




Check Also

Janot pede ao STF as prisões de Joesley

Janot pede ao STF as prisões de Joesley

Lava Jato: Fachin envia para a primeira instância denúncia contra Lula e Dilma

Compartilhe esse conteúdo - Click aqui e cadastre-se GRÁTIS e receba notícias, informações e promoções …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.